Fique por Dentro

Home office? Estamos sobrecarregadas!

Mulher sentada usando o computador
Publicado em: 03/junho/20   |   Autor: Denise Neri

Enquanto aguardamos a solução para retornarmos ao trabalho, as mulheres estão sobrecarregadas. Sabemos que muitas mulheres gostam de trabalhar em home office porque têm a oportunidade de estar mais perto da sua casa, dos seus lares e dos seus filhos, porém, isso é um privilégio para poucas. Enquanto trabalhamos em nossos lares, temos que preparar as refeições da família e cuidar dos afazeres domésticos.

As mães solos estão longe das avós, das amigas, das babás e das creches. As que têm filhos em idade escolar, têm que auxiliá-los nas aulas online e nas lições de casa e na concentração dos afazeres.

Aquelas que são mães de adolescentes ainda tem que ser fortes para convencê-los a permanecer em isolamento social, contra todos os seus arroubos e hormônios.

As que podem contar com o parceiro nesse momento, enfrentam a situação onde parecem que estão pedindo um “favor” ao solicitar algo aos cônjuges,  muitas vezes de forma irônica nos deparamos com a “ajuda deles”. Não vemos esse problema com os homens, pois seu trabalho continua sendo “mais importante”, já que são melhor remunerados. 

Do ponto de vista econômico e social somos as mais atingidas pela pandemia, segundo relatório "Mulheres no centro da luta contra a crise Covid-19", divulgado no final de março pela ONU Mulheres, entidade da Organização das Nações Unidas para igualdade de gênero e emponderamento.

De acordo com o relatório, 70% dos trabalhadores de Saúde em todo o mundo são mulheres, fato que as expõe a um maior risco de infecção pelo novo coronavírus, muitas não voltam para suas casas com medo de contaminarem suas famílias.

Com o isolamento, em virtude da pandemia, os índices de violência doméstica e feminicídio têm aumentado no mundo, já que as mulheres estão confinadas com seus agressores e distantes do ciclo social. Os riscos para elas são cada vez mais elevados.

Ainda chegam a mim casos de ex-maridos, ex-companheiros etc, criticando suas ex-companheiras porque se relacionam novamente e não reconhecem o esforço para manter a educação dos filhos.

Até quando viveremos em uma sociedade machista que além de denegrir a mulher, não reconhece seu valor e a agride?

Estamos vivendo numa situação de estresse constante, tentando resolver os problemas com presteza e sensibilidade, mas tenhamos empatia com a outra que não tem as mesmas oportunidades, que não gozam de uma situação tranquila por estar em home office. Escute o grito dessas mulheres que estão sobrecarregadas, porque elas realmente estão! Sejamos solidárias, porque falar que estamos no mesmo barco, é uma grande falácia.

Newsletter

Receba novidades, informações de cursos, palestras e outros eventos da Fundação 1º de Maio.
Todos os campos são obrigatórios.
2019 Fundação 1º de Maio. Partido Solidariedade. © Todos os direitos reservados.