Fique por Dentro

A importância do voto e a responsabilidade do eleitor

braços levantados de diferentes pessoas
Publicado em: 12/abril/16   |   Autor: Adriana Santos

O sistema democrático exige participação ativa da população para funcionar.

Como no Brasil escolhemos diretamente aqueles que vão nos representar politicamente, o voto significa uma permissão para que o candidato escolhido tome decisões por nós, ou seja, significa dar a alguém a prerrogativa de legislar sobre assuntos que interessam à população (no caso dos legisladores). Ao votar em um candidato o eleitor afirma: "você me representa, pois acredito que irá propor e votar em projetos que estejam de acordo com aquilo que penso".

Para que uma pessoa o represente é preciso que compartilhe opiniões e ideias de mundo próximas ou iguais as suas. Se você já desenvolve um trabalho em prol dos animais, por exemplo, pode escolher um candidato que já exerça, ou venha a exercer, uma atividade política voltada para a causa animal. É claro que eles deverão tomar decisões sobre diferentes assuntos, por isso, conhecer a fundo o seu candidato será muito importante para que você se sinta bem representado.

As Câmaras Municipais (vereadores), Assembleias Legislativas e Câmara Legislativa* (deputados estaduais), Câmara dos Deputados (deputados federais), e o Senado Federal (senadores) são constituídos pelos legisladores eleitos pelo povo, o que significa que a população brasileira indiretamente tem responsabilidade sobre o trabalho desenvolvido por estes órgãos. Ocorre de forma indireta, pois quem votará nos projetos é o político e não os cidadãos.

Se o candidato não legisla (não vota, não propõe projetos) de acordo com aquilo que ele disse que realizaria, o que fez com que recebesse determinado número de votos, ele não está representando corretamente as pessoas que o elegeram. Para que isso não aconteça ou que ele não volte a agir da mesma forma, é necessário que os eleitores acompanhem o seu trabalho e o questionem sobre seus atos. Afinal, um político deve atender as demandas coletivas e não particulares. Para isso, é importantíssimo acompanhar notícias em diferentes jornais, buscar informações nos sites respectivos a cada um dos órgãos, pesquisar sobre as atividades que estão sendo exercidas pelo candidato dentro e fora do período de seu mandato.

Com a chegada da internet as coisas ficaram ainda mais fáceis. No site da Câmara dos Deputados, por exemplo, você pode se inscrever para receber boletins sobre as atividades de seus parlamentares. Também pode acompanhar o andamento de projetos que estão sendo propostos na Câmara. Caso haja interesse em ir mais a fundo no funcionamento da máquina política é possível fazer cursos online gratuitos no site do Senado Federal. As Câmaras Municipais também disponibilizam informações no seu site para que a população fique informada.

Nobberto Bobbio, em seu livro Democracia e Segredo, coloca que "a democracia é idealmente o governo do poder visível, isto é, do governo cujos atos se desenrolam em público e sob o controle da opinião pública", isso significa dizer que a democracia só se mantém com informação. O Estado democrático tem a obrigação de divulgar suas atividades, mas a população tem o dever de se manter informada.

Votar** não é somente comparecer às urnas e apertar um botão, ele consiste num ato político, importantíssimo para a manutenção de sistemas democráticos saudáveis, mas não se restringe nele mesmo. O voto pressupõe engajamento e atenção diária com o que acontece nos meandros da política e cobrança aos eleitos, e isso requer trabalho. Não se pretende dizer com isso que a população é responsável pelos casos de corrupção, afinal ela é a mais prejudicada nessa situação. Porém, se eximir da responsabilidade de cidadão de participar ativamente da vida política do País favorece a manutenção de comportamentos corruptos.

Neste momento, existem mais de 17 mil projetos em tramitação só na Câmara dos Deputados, e alguns deles podem interferir diretamente na sua vida, caso sejam aprovados. Uma proposta feita pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Crimes Cibernéticos, por exemplo, permite as operadoras como Oi, Net, GVT, etc. tirar do ar aplicações como Facebook, Whatsapp, caso identifique ou considere algum conteúdo ilegal. 

Pesquise na internet, em sites dos órgãos ao qual se refere o seu candidato, e-mails, telefones e outras formas para entrar em contato com quem você votou. Participe das assembleias públicas, conheça, quando possível, os órgãos legislativos, executivos e judiciários. Visite a Câmara Municipal do seu município, conheça as pessoas que lá trabalham. Cobre os vereadores, os deputados estaduais e federais, senadores, e também prefeito, governador e presidente, que você ajudou a eleger sobre aquilo que prometeram. Desta forma a democracia se fortalece.

Conheça os Deputados

Conheça os Senadores

Para saber sobre vereadores e deputados estaduais procure o site da Câmara Municipal da cidade onde você mora e a Assembleia Legislativa do seu estado.

*A Câmara Legislativa existe somente no Distrito Federal. 

**Não votar também é um ato político, desde que esteja acompanhado de uma noção de responsabilidade política. Ao anular seu voto você declara não estar satisfeito com o trabalho ou as ideologias propostas pelos candidatos em questão, mesmo que não impeça a eleição destes mesmos candidatos.  

2020 Fundação 1º de Maio. © Todos os direitos reservados.